Após negociar a venda de 36 caças Gripen da fabricante Saab para a Força Aérea Brasileira, o governo da Suécia prepara uma nova incursão em terras brasileiras: o biogás.

Reconhecido com um dos países mais “verdes do mundo”, a Suécia tem uma enorme tradição de implementação de projetos sustentáveis, como ônibus que rodam com biogás de esgoto e indústrias que geram energia para cidades inteiras apenas com o lixo recolhido das casas.

A intenção da Suécia é estimular o desenvolvimento da indústria de biogás no Brasil, aproveitando-se do fato de o país ser um dos maiores produtores mundiais de alimentos e que teria, apenas no setor de agricultura, enormes quantidades de resíduos não aproveitados que podem ser utilizados como combustível para indústrias de biogás.

Além disso, outra vantagem é que o Brasil possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo e uma colaboração com a Suécia em biogás seria uma ação concreta no combate às mudanças climáticas.

Em fevereiro deste ano, representantes do governo da Suécia e do Swedfund (instituição financeira de desenvolvimento sueco) assinaram um acordo que prevê, além de intercâmbio de experiências de cooperação internacional, investimentos da ordem de 3 milhões de reais em consultoria para a geração de energia limpa.

A ideia é subsidiar um estudo para a produção de biogás e biometano com foco em mobilidade urbana, seja por meio da agricultura (através de restos de cana de açúcar) ou do reaproveitamento de matéria orgânica proveniente de aterros sanitários e esgoto.

A parceria entre os países na área de biogás também vai ser um dos destaques nas Semanas de Inovação Suécia-Brasil, evento que discute projetos e ideias inovadoras com foco em sustentabilidade e tecnologia.

A abertura do evento será realizada em Curitiba, considerada uma das capitais brasileiras mais avançadas em termos de mobilidade urbana. Vão participar da abertura a embaixadora da Suécia no Brasil, Johanna Brismar Skoog, o prefeito Rafael Greca (DEM) e o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Jr (PSD).

Por causa da pandemia, toda a programação será online e gratuita.

Continua após a publicidade